Preparando os transportes para a Copa

15 05 2011

2014 já está aí. Pelo menos no tocante a todos os preparativos requeridos para que os torcedores de todas as seleções participantes consigam chegar aos estádios.

Copa do Mundo de Futebol é um evento esportivo e multicultural único. Para os transportes, significa também um desafio único. Será que estamos preparados para ele?

Li nesta semana um relatório com a análise de toda a gestão dos transportes feita durante a Copa de 2006, na Alemanha. Sim, aquela mesma em que o Brasil era favorito, mas que passou sufoco até mesmo nas partidas iniciais. Quem não se lembra dos momentos de sofrimento no primeiro tempo da partida contra o Japão e das maldosas estimativas do peso do Ronaldo Fenômeno?)

É verdade que a Copa na Alemanha não foi lá muito positiva para a seleção canarinho. Mas ela trouxe belos resultados para a organização dos transportes. Na verdade, esta foi concebida como a primeira copa sustentável da história. Coleta seletiva de lixo, captação de energia solar nos estádios e metas ambientais para diversos setores fizeram parte deste evento esportivo.

Com relação aos transportes, a FIFA impôs duas exigências. A primeira foi chamada de Green Goal. Pelo menos metade dos deslocamentos aos estádios deveria ser realizado com o transporte público. Assim, as emissões e os efeitos maléficos dos transportes sobre o clima poderiam ser reduzidos. Outra exigência consistiu em orientar as torcidas de diferentes times por rotas diferentes até os correspondentes setores dos estádios. Ou seja: foram colocadas à disposição linhas de ônibus exclusivas para cada uma das torcidas, bem como separados estacionamentos para automóveis e, claro, distintos acessos para os estádios.

Essas metas foram cumpridas. Para ver os 64 jogos da Copa de 2006, 57% dos torcedores foram aos estádios com transporte público. Metrô e trem tiveram um papel decisivo nesse meio de campo entre arenas e residências ou hoteis. Mas os números variam bastante de cidade-sede para cidade-sede. Nesse sentido, Berlim ganha de goleada contra Gelsenkirchen: só 9% das viagens ao Estádio Olímpico de Berlim foram feitas com meios motorizados particulares (como motocicleta ou automóvel). Já em Gelsenkirchen este percentual ficou em 52%. Essa diferença reflete muito a facilidade e o conforto de se chegar com um meio de transporte ou outro. Em Berlim, há uma estação de metrô que deixa as pessoas praticamente na porta do estádio.

A experiência alemã mostra ainda o quão importante é a internet para os deslocamentos dos torcedores. Mais da metade dos fãs e principalmente os torcedores estrangeiros usam a internet como fonte de informação para saber como chegar ao estádio. Outro item essencial é a disponibilização de informações eletrônicas nas ruas e outros dispositivos de informação e orientação.

A qualificação das cidades para a Copa do Mundo requer a concretização de muitos planos, com um grau de profissionalismo alto, em um espaço de tempo curto. Se a Copa brasileira vai ser bem sucedida ou não do ponto de vista do torcedor depende em boa medida desses preparativos. Mas a verdade é que a organização de uma boa Copa vai muito mais além do que a decisão sobre quem vai entrar no gramado e quem vai ficar de fora. Que o diga a Alemanha que, em 2006, também não conseguiu colocar as mãos na taça.

Originalmente publicado no Planeta Sustentável em 18/04/2011, às 16:53

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: