Ele voltou!

25 08 2008

Um meio de transporte eficiente no dia-a-dia da metrópole, que respeita, valoriza e até requalifica a paisagem urbana e que não agrida o meio ambiente. Não é o trem-bala, não se chama fura-fila e não lembra, nem de longe, o aerotrem. Esse meio de transporte é, na verdade, o bonde.

Andar de bonde voltou a ser “cool” na Europa. Na França, mais de vinte cidades já têm ou tem planos para adotá-lo não só como uma pontual, prática e segura alternativa de transporte, mas como verdadeiro marco de uma ampla reforma urbana.

Reporta a edição especial da revista Der Spiegel que, até 2015, deve chegar a 576 quilômetros a extensão da rede de trilhos. Rede essa que havia sido abandonada, até ridicularizada a partir dos anos quarenta, quando se imaginava que o automóvel fosse sinônimo de um futuro melhor.

Como em São Paulo a partir da opção por um modelo rodoviarista do transporte sobre pneus. Em nossa cidade, bondes também foram caracterizados como marcas do atraso, bugigangas que atravancam o trânsito de veículos com motores a combustão. Desde Prestes Maia, eles tiveram de ceder espaço a vias expressas, túneis e viadutos — estes sim, modernos. Se você não se lembra dessa história, não tem problema: basta olhar agora através da janela. Ainda estamos presos a esta lógica…

Os bondes modernos de Marselha, segunda maior metrópole da França, logo deverão transportar 55 mil passageiros por dia sobre duas linhas, em um total de 10,8 quilômetros. Paralelo ao investimento no velho novo sistema de transporte, a cidade aposta em criar novos estacionamentos junto às estações de “tram” para enfrentar o problema dos congestionamentos no centro.

Mais interessante ainda é o que acontece em Estrasburgo, cidade cuja história recente vai de mãos dadas com o bonde. Ainda segundo a revista alemã, em 1989, a candidata à prefeitura Catherine Trautmann venceu as eleições com a bandeira dos bondes. Cinco anos depois, a primeira linha foi inaugurada e os temores do comércio (seja no Brasil, na França ou em qualquer lugar do mundo, comerciantes tendem a ser uma grande fonte de resistência a mudanças na cidade) se dissiparam.

Boa parte dos usuários do serviço de trans são motoristas de automóvel, que antes congestionavam o centro da cidade. Agora, eles pagam 2,70 euros (R$ 6,65) para estacionar perto de uma das estações de bonde. Mas, pagando a tarifa de estacionamento, todo mundo que estava no carro pode andar de bonde. “O tram funciona como uma esteira rolante urbana”, brinca um especialista.

Em Estrasburgo, o sucesso dos bondes se mantém até hoje e se internacionaliza. Mas não pelos bondes em si. Simplesmente por mostrar que é possível abrir caminho a padrões de mobilidade mais sustentável com políticas inteligentes de transporte.


Ouvi por aí que o Estadão deve publicar uma revista especial sobre o tema “Megacidades” neste domingo. Oba, eu quero!

Originalmente publicado no Planeta Sustentável em 31/07/2008, às 17:23

Anúncios




O casamento perfeito

17 04 2008

Marseille, França

Andar de bicicleta pelo bairro até uma estação de metrô e, na volta para casa, pegar o metrô e depois pedalar. Essa combinação – tão gostosa como goiabada com queijo fresco – está para ser descoberta em São Paulo. Pelo menos, é o que se pode ler no texto de Alencar Izidoro, na “Folha de S. Paulo” de hoje.

Escreveu o repórter: “Os passageiros do metrô de São Paulo terão bicicletas à disposição em algumas estações do centro e da avenida Paulista. Eles poderão utilizá-las de graça por um período curto – estimado entre 20 e 30 minutos – e terão de pagar uma tarifa de aluguel para mantê-las por mais tempo.” Mas quando poderemos experimentar metrô com bicicleta? A partir de julho, promete o secretário de transportes metropolitanos, José Luiz Portella.

Eu acho essa idéia – a ser viabilizada por meio da parceria com uma seguradora de veículos – muito boa. Na Europa, um montão de cidades já descobriu que dá certo colocar as magrelas à disposição do público. Além disso, os projetos mais recentes e inovadores apostam nem tanto na expansão das redes de transporte, mas em sua integração.

Por exemplo, Marselha. Eu nunca fui para lá, mas estou encontrando semelhanças interessantes entre Marselha e nossa São Paulo. O centro da segunda maior cidade francesa é abarrotado de carros. Conseguir vaga para estacionar é tão difícil, que alguns largam os carros na rua para dar uma corridinha até a loja ou a padaria. Bicicleta é o meio de transporte usado por apenas 1% de quem se movimenta diariamente dessa cidade portuária, com um relevo não muito plano. Não há favelas, mas a segregação social também é explícita. Nos bairros do norte da cidade – como Les Arnavaux e La Rose, que, até os anos 1980, eram tradicionais vilas operárias – os problemas sociais são bem mais profundos.

E o que fará Marselha nos próximos anos? Com investimentos da ordem de 230 milhões de euros, a estação de trem St. Charles deverá se transformar em um pólo multimodal: transporte sobre trilhos de alta velocidade aliado a metrô, ao ônibus e aos novos bondes que circulam no centro da cidade. Bicicletas também deverão estar à disposição de quem desembarca por ali.

Ao todo, serão colocadas mil bicicletas em 55 locais próximos a estações de metrô ou bonde. De acordo com o projeto original, 100 quilômetros de ciclovias devem existir na cidade até o final deste ano. Para os marselheses, a descoberta do potencial do transporte sobre trilhos com o veículo não motorizado de duas rodas deverá lembrar o delicioso casamento entre azeitonas e um bom vinho rosé.


Fresquinho no Jornal da Tarde de hoje, artigo em que tento desfazer o mal-entendido em torno do “pedágio urbano”.

Artigo originalmente publicado no Planeta Sustentável em 17/04/2008, às 8:47